Por Priscila Sampaio

Em 16 de August de 2019

Saiba os passos essenciais para montar um time de influencers de sucesso

O marketing com influenciadores é a realidade no trabalho das agências de publicidade, marcas e grandes corporações. 

Contudo, trabalhar com influenciadores digitais não basta escolher por nomes famosos, ou quem entrega o melhor clique de fotos, mas são aqueles que apresentam sinergia com o produto ou serviço. 

E aí começa o desafio no marketing digital. Antes de passarmos para a seleção de um time, vamos falar sobre passos anteriores. 

O que são influenciadores digitais?

Como o próprio título sugere, influenciador é aquele que influencia uma quantidade de pessoas. 

Um estudo realizado pela Qualibest, 84% dos brasileiros onlines já descobriram um produto via influenciador, 73% adquiriram algum item por indicação do digital influencer e 55% pesquisam opiniões de criadores digitais. 

E o influencer compartilha seu conteúdo com seguidores que de alguma forma identificam-se com ele. Logo, a relação é aproximada, como um amigo que indica algum produto ou experiência. 

A relação das marcas com essa nova mídia, não é como um banner de divulgação, mas oferecer aos consumidores as experiências em utilizar a marca, ou participar de ações promovidas pela empresa, e compartilha com seus amigos virtuais. 

Fazer campanhas com influenciadores digitais é além de demonstrar o produto e o preço que custa, é demonstrar a experiência  no uso, apoiar as causa encabeçadas pela marca e uma aproximação de empresa e consumidor. 

É com esse ponto que é importante a escolha de um influenciador que usa, ou poderia consumir a marca. 

Um exemplo de erro de identificação de persona foi quando elegeram a apresentadora Xuxa Meneguel para a marca Monange. Na época inúmeros comentários em torno do comercial diziam: “Até parece que a Xuxa vai usar Monange”. Independente de qualquer juízo de valores, as pessoas não confiaram em que a Xuxa usaria uma marca popular de creme corporal. 

A diferença de macro e micro influenciadores

Quando falamos em personalidades da internet temos de imediato dois pensamentos: maiores influenciadores digitais do Brasil ou microinfluenciadores digitais.

Porém dentro desse universo de influenciador digital há algumas especificações que diferencia um do outro.

São centenas de clusters, dos quais determinam se o digital influencer é macro ou micro. Por exemplo, quando falamos em categoria de beleza, um influenciador digital que tem 100 mil seguidores, não podemos considerá-la como macro, porque há inúmeros perfis que estão nesse nicho e têm mais de 1 milhão de seguidores. É questão de proporção. 

O que o contrário também é uma verdade. Quando falamos de um digital influencer em minhocas, dentro desse cluster de especialistas, um perfil com mil seguidores é um macro, já que quantas pessoas falam sobre esse assunto? 

Agora, em linhas gerais podemos fazer as seguintes distinções: 

1 – Celebridades

São pessoas que possuem mais de 1 milhão de seguidores. Os perfis mais comuns nesse patamar são artistas, modelos, atores e atrizes de televisão e cinema, apresentadores de TV aberta, pessoas que já tinham audiência no Youtube e Blog, ou com uma impulsão por algum programa de TV, como Big Brother Brasil. 

Alguns influenciadores digitais chegam a esse patamar com um trabalho muito bem feito em suas redes, que levam normalmente alguns anos, como é o caso do Windersson Nunes. 

Aqui vemos o movimento da mídia. O humorista Windersson Nunes ficou famoso e passou a participar de programas de TV depois que fez um imenso sucesso na internet. É o caminho inverso das celebridades. Ele é considerado um mega influenciador. Assim como o Felipe Neto, Julio Cocielo, Felipe Castanhari, entre outros. Criaram uma base de fãs nos meios virtuais para depois estarem presentes em veículos tradicionais. 

2 –  Macro influenciador

Os influencers digitais que são considerados como Macros, são aqueles entre 500 mil a 1 milhão de fãs e seguidores. 

Aqui entram pessoas que são atuantes e mantém uma audiência fiel. Exemplos como Danielle Noce, com  866 mil seguidores, que compartilha desde seu lifestyle a conteúdo de gastronomia em seu canal do Youtube.

3 – Intermediário Influencer

Entre 10 mil a 500 mil seguidores, são aqueles que falam de assuntos relevantes, que conseguem estruturar e manter uma audiência. Aqui encontram diversos nichos, entre beleza, maquiagem, fitness entre outros. Um exemplo de influencer é o Estevam pelo Mundo, do Lucas Estevam. O digital influencer gera conteúdo sobre viagens, tem 425 mil seguidores e foi participante da edição O Aprendiz 2019.

5 – Microinfluenciador

São os que apresentam maior potência em conversão para as marcas. Estão na faixa entre 10 mil a 100 mil seguidores. E assim como outros, possuem diversos temas. 

Um bom exemplo dessa categoria estão as mamães influenciadoras. Entre elas a Marina Aprendiz de Mãe – Marina Molina, com 89,1 mil seguidores e dedica-se a falar sobre a experiência de ser mãe. 

6 – Nanoinfluenciador

Estão aqueles que produzem algum tipo de conteúdo específico. São personalidades de até 10 mil seguidores. Engloba influenciadores que não alcançam a grande parcela da população. Aqui podemos considerar pessoas que falam por exemplo, de carros de luxo específicos, lojas de diversos itens do varejo, entre outros. 

#Passo 1: Planejamento da campanha com influenciadores

No marketing digital é essencial o planejamento da campanha de marca. É preciso seguir passos importantes para o sucesso. 

Os primeiros pontos a serem seguidos é definir o público alvo da campanha, o nicho de pessoas que será atingida. Outro é qual é o objetivo da campanha, porque quando se tem definido o objetivo, as estratégias serão construídas baseadas nelas. 

E por final, como serão executadas as estratégias. 

#Passo 2: Reconhecer o comportamento dos influencers

O trabalho com os influenciadores digitais é uma fase das estratégias. Para isso, a etapa da escolha correta dos digitais influencers é fundamental. 

Com plataformas de influenciadores digitais é possível fazer a escolha mais assertiva. A Airfluencers possui um raio-x do comportamento dos influencers. 

Há diversas variáveis para a escolha do influenciador, entre elas e o ponto mais importante é identificar qual o conteúdo que a pessoa trabalha. O quanto ela se dedica a falar sobre isso. 

Um exemplo consiste na importância da escolha dos influenciadores pelo conteúdo que produzem está na questão de Meio Ambiente. Hoje uma das discussões sustentáveis está na redução de consumo de carne vermelha para conter as mudanças climáticas. 

Com essa temática, uma empresa frigorífica não pode se associar a influenciadores que falem de meio ambiente, que defendam causas sustentáveis, porque poderá ter ruídos tanto para a marca quanto para o influenciador digital.  

A pérola da escolha errada para relacionamento entre celebridade e marca foi a Friboi com um comercial protagonizado pelo cantor Roberto Carlos, que assume ser vegetariano. 

O que não faltou foram memes na época. 

#Passo 3: Contratação de plataforma de influenciadores digitais

Na plataforma de influenciadores Airfluencers há dados exclusivos sobre o comportamento do digital influencer. Entre eles, quais são as categorias que foram abordadas nos últimos 90 dias, a porcentagem de quanto foi publicado sobre aquela categoria e quais os temas trabalhados dentro dela. Veja abaixo: 

Outros pontos a serem considerados são os horários que o influenciador digital costuma postar, assim aponta hábitos, como matutinos (esporte, vida saudável) ou noturnos (lifestyle, moda, baladas). 

O quanto o perfil dedica-se a produzir publicações, crescimento de base, entre outros. 

#Passo 4: A escolha de grupos de influenciadores

Escolher o time de influenciadores será conforme os objetivos da campanha. O salto em qualidade pode estar em escolher perfis que não são óbvios para a marca. Assim conquistando um novo nicho de consumidores. 

Um exemplo: Uma marca de vinhos pode escolher um influenciador digital de viagens. Dependendo do local, o tipo de vinho é bem vindo nas refeições em locais de montanhas, ou em piqueniques em áreas abertas e assim por diante. Por isso é importante saber com detalhes o tema dos conteúdos produzidos. 

Cada time deve estar focado no objetivo. Se for awareness, macros influenciadores serão mais indicados, conversão, pode ser melhor trabalhada por microinfluenciadores. 

Com análise do comportamento, será apontado se há conexão com o produto ou serviço. 

O relacionamento deve ser natural, genuíno, a citação da marca deve ser algo que faz parte do dia a dia do influenciador. 

“As pessoas não aceitam mais propaganda imposta. O mal planejamento e execução entre empresa e creator pode não ser bem recebida e ambos perderem os fãs da marca”, comenta Rodrigo Soriano, CEO da Airfluencers. 

#Passo 5: A importância de se ter embaixadores

Depois de eleitos, com vários critérios, o time de influenciadores digitais, é saudável para a marca escolher que serão os embaixadores da marca. Esses irão além da publicação no Instagram sobre produto. 

Algumas pessoas apresentam grande sinergia da marca ou da ação da empresa. Um exemplo foi a eleição da Ana Paula Xongani para ser embaixadora da Colgate. Ela sustenta o discurso que a beleza do seu sorriso é resistência de quem quer mudar o mundo. A marca por sua vez traz o posicionamento de diversidade e inclusão de gêneros sociais, cada um com sua bandeira de defesa. 

Conclusão

 A eleição de um time é um processo com diversas etapas que devem ser respeitas e estruturadas. 

A boa escolha de influenciadores digitais é um dos pontos fundamentais para o sucesso da campanha, além de poder ter nomes para encurtar o espaço entre consumidores e empresa. 

Ter um time significa um trabalho constante e duradouro, o que é saudável para a imagem da marca e oportunidades de conversão, seja em vendas ou fortalecimento do nome da empresa. 

Ao se relacionar com influenciadores digitais, a marca tem maiores chances de ser lembrada no dia a dia do seu consumidor e dar saltos em vendas em datas sazonais, além de ser indicada “pelo amigo virtual”. 

 

influenciadores digitais