A Airfluencers preza pelo bem estar de seus cliente e funcionários!

Por conta do novo Coronavirus, a empresa toda fará home office de 16/03 a 20/03. Mas não é por isso que deixaremos de atendê-los da mesma forma de sempre!

Pedimos somente que, caso tenha alguma dúvida ou problema, nos contate pelo chat da plataforma (balãozinho rosa à direita da janela), site, e-mail, ou via direct de nossas redes.

Por Airfluencers

Em 17 de April de 2020

Entenda esse mercado e o que eles fizeram durante a pandemia

O mercado da China é uma potência, com mais de 1 bilhão de habitantes e uma das maiores economias do mundo, porém, raramente ouvimos falar sobre celebridades chinesas ou influenciadores daquela região. 

Durante o coronavírus, eles foram os primeiros afetados, então nós decidimos entender como o mercado de influência chinês lidou com essa situação, em quais redes sociais eles mais se conectam e porque nós nunca ouvimos falar sobre eles. 

CENÁRIO DE MÍDIAS SOCIAIS NA CHINA:

O mercado de influenciadores na China está muito à frente do restante do mundo. Existe uma integração muito bem feita entre e-commerce, redes sociais e pagamentos digitais, possibilitando que um seguidor possa clicar no post patrocinado e ir direto ao carrinho de compras do produto.

Observem os dados a seguir, de uma pesquisa feita pelo Hootsuite:

Comportamento dos usuários nas Redes sociais no último mês:

Mas onde esses usuários estão? 

Pois é… Aposto que você não vê muitos chineses nas redes sociais. E isso porque as redes mais utilizadas por nós, como Facebook, Instagram ou Twitter são proibidas pelo governo chinês. Existem outros Apps que essa população utiliza e que podem ser comparados aos que conhecemos no Ocidente: 

WeChat = WhatsApp

Weibo = Twitter

Douyin = TikTok

Veja abaixo, um gráfico com a porcentagem de usuários pelas redes mais populares na China: 

 

REFERÊNCIA EM VENDAS ONLINE:

O Alibaba, maior grupo de plataformas de E-commerce do mundo, enriqueceu a experiência de comércio eletrônico chinês com uma interface rica em conteúdo que inclui vídeo, transmissão ao vivo e recursos completos de mídia social. 

Cerca de 60 a 70% dos aplicativos móveis de Tmall e Taobao são todos sobre conteúdo. O conteúdo incentiva os compradores de comércio eletrônico a interagir como se estivessem em uma mídia social ou plataforma de conteúdo, o que é uma vantagem distinta para influenciar empresas e uma oportunidade para marcas que alavancam influenciadores populares de comércio eletrônico.

MERCADO DE MARKETING DE INFLUÊNCIA NA CHINA:

O mercado de influência na China foi estimado em US$15,5 bilhões no ano de 2019.

Cheech Foo, diretor da Ignite China (empresa especializada em marketing digital chinês) diz que a crescente indústria da KOL (key opinion leader) se baseia na China no contexto cultural. 

“É mais provável que o comportamento típico do consumidor chinês seja influenciado por pessoas que eles conhecem ou confiam – isso inclui familiares e amigos, mas também podem ser indivíduos de alto nível, como líderes de negócios, especialistas do setor, cantores, atores, atletas e blogueiros on-line”, diz Sr. Foo. “De certa forma, os chineses se beneficiam mutuamente para atuar como filtros para a tomada de decisão acelerada”.

Esse mercado já está muito à frente da maior parte do mundo. Na China, o influenciador é um verdadeiro vendedor. Eles fazem lives comerciais com o intuito de vender o máximo que conseguirem e o que ajuda muito é a integração entre o e-commerce, rede social e a forma de pagamento, chamado de Social Commerce, pois é sempre muito fácil e rápida para o usuário. Em apenas um clique, ele compra. 

No exemplo acima, a influenciadora fez um post do produto com um link que já leva o usuário direto para a página de compra do produto, no TaoBao que é um dos e-commercers do Alibaba. 

 

LIVES COMERCIAIS:

Zhang Dayi, considerada a Kylie Jenner chinesa tem quatro linhas de negócios que incluem roupas femininas, lingerie, cosméticos e produtos para o lar, Dayi obteve US$ 220 milhões em vendas exclusivamente a partir de canais digitais.

Becky Li, uma das influenciadoras mais importantes da moda na China e que já acumula 2 milhões de seguidores no WeChat, já chegou a vender 100 mini coopers em 5 minutos através de uma live.

Como esses influenciadores estão lidando com a pandemia? 

Num primeiro momento, as marcas adiaram ou cancelaram campanhas, porém aos poucos se deram conta que as pessoas continuarem consumindo mesmo estando em casa e, ao poucos, o comportamento foi sendo outro.

A influenciadora Jiaye Wu, por exemplo, tem uma parceria com a marca Puma, porém com a pandemia, ela teve que usar a criatividade para criar conteúdos legais para eles. A marca enviou alguns sapatos e ela, usando os locais de sua casa e iluminação emprestada de um vizinho fotógrafo, tirou fotos super criativas com os produtos, garantindo assim a entrega do trabalho. 

Embora a quantidade de trabalhos de Jiaye Wu tenham diminuído durante este período, seus ganhos aumentaram devido às lives que ela tem feito em seu perfil, o que resultou em um aumento da sua popularidade. 

Outro fator muito marcante foi sua participação no Shangai Fashion Week que, pela primeira vez na história, foi realizado através de streaming e em parceria com o AliBaba.
*Nota extra: Os organizadores do evento utilizaram tela verde e realidade aumentada para realçar os efeitos visuais. Incrível!

 

 

Uma estratégia fundamental para o marketing de influenciadores é conhecer seu público e o que eles querem ler. Alguns  influenciadores de moda criaram listas de coisas que seus fãs podiam fazer sem sair de casa. 

Uma escolha comum era sugerir entretenimento como filmes, livros, palestras on-line ou até jogos de celular para os seguidores durante esse período. Nessa estratégia se destacam, Becky Li e XiMenDaSao. 

Becky Li criou listas como “Os 100 Melhores Looks de Filmes” e “Os Melhores Filmes e Livros Relacionados à Moda”.

 

Já, XiMenDaSao analisou todos os acessórios de uma novela de muito sucesso na China, a “Someday or One Day” e adicionou os links para que os leitores pudessem comprar os acessórios. 

CENÁRIO BRASILEIRO:

Não existe fórmula mágica que vai fazer seu produto vender mais, principalmente em uma pandemia como a que estamos enfrentando. 

É preciso ter muita consistência e principalmente um storytelling conciso por trás do conteúdo postado e trabalhado. O que vai fazer o usuário se interessar, é de fato o que esse produto vai representar e agregar a ele. 

Agora, se utilizarmos o aprendizado dos nossos colegas do oriente, uma estratégia que com certeza se destaca é o planejamento utilizando técnicas como o “Product Placement” em lives feitas por influenciadores – claro, corretamente selecionados – para promover seus produtos e levar consumidores de forma rápida e fácil até o seu e-commerce.